Quarta-feira, 29 de junho de 2022, 13:55:31

Críticas a Escola de Samba do Rio rendem Moção contra vereadores

04/05/2022, 14:48 | Foto: Mario Neto / ASCOM-CMFS

Uma moção do deputado estadual Hilton Coelho, do PSOL, contra os vereadores Paulão do Caldeirão (PSC), Edvaldo Lima (MDB) e Pastor Valdemir (PV), por conta de pronunciamento sobre a presença da representação do orixá Exu durante o carnaval do Rio de Janeiro, repercutiu na sessão desta quarta-feira (4), na Câmara Municipal. Os vereadores classificaram como satanismo a abordagem da Escola de Samba Grande Rio, a campeã do carnaval. 

 

“Apologia ao satanismo”, definiu Paulão, mais uma vez, ao considerar uma vergonha para as famílias e uma afronta a Deus. “Uma criança morreu no sambódromo, porque tem que ter sangue para adorar o diabo. Edificaram um altar para exaltar satanás”, disse o vereador, que é evangélico, bem como os pastores Valdemir e Edvaldo. Ele respeito à Casa Legislativa por parte do deputado e garantiu que em nenhum momento foram de encontro a nenhuma entidade religiosa.   

 

Para Edvaldo Lima, o que aconteceu no Rio de Janeiro, durante o carnaval, e que foi comentado no plenário da Câmara ainda durante as festividades carnavealescas, foi que a escola fez “feitiçaria, bozó”. O vereador sugeriu que o deputado siga o demônio. “as eu sigo Deus, pai, filho e espírito santo. Não é satanás que vai calar a boca dos cristãos do país”, afirmou. Já o Pastor Valdemir questionou: “Onde estava esse deputado desconhecido no  

Momento que invadiram igrejas evangélicas e disseram que Jesus é gay?”. 

 

“Se ele acha que Jesus não é o filho de Deus, o problema é dele”, disse o presidente da Casa, Fernando Torres (PSD), acrescentando que os cristãos não podem aceitar essa postura do deputado, que ele reconheceu tratar-se de um excelente parlamentar, um homem sério. “Porém, passou do limite e não podemos aceitar um tipo de moção dessas. “Não vamos ficar calados. Ele tem que nos respeitar”, afirmou o presidente